sábado, 6 de janeiro de 2018

Marcelo Tosta - Destaque da Mala da Fama - 2018

Quem conhece Marcelo Tosta, sabe que tem que lidar com uma pessoa culta e sensível. Seu olhar para a vida é impregnado de uma estupenda força da natureza. Este sagitariano, de São Pedro da Aldeia, já fez e faz muito pela vida artística da região, quer seja como pintor, escritor ou pessoa de teatro.  Suas peças são viscerais, seus filmes são poéticos e sempre muito bem realizados mas o que as pessoas mais comentam na cidade é sua oficina de TEATRO FETICHE, uma forma de fazer o ator mergulhar na arte, se descobrir e redescobrir a dimensão de si mesmo.
Este ano, escolhemos Marcelo Tosta, para ser o destaque da MALA DA FAMA. Entendemos que esta é uma forma singela de agradecer por tudo o que ele tem nos dado. Este é o tipo de ser humano que acreditamos estar, realmente, fazendo a diferença no planeta, porque viver é energia e energia sem amor não é nada. Conversar com Marcelo é falar, acima de tudo, de amor, de vida, de pulsação, de arte.

Marcelo Tosta - 2018 - Foto: Marcos Homem
Marcelo Tosta - 2018 - Foto: Marcos Homem

 

Da esquerda pra direita: Marcos Homem, Nathally, Marcelo, Rhane, Jiddu e Karen.


VISITE A FANPAGE DA MALA DA FAMA, NO FACEBOOK


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Laura Catarina e Marcos Souza, fechando o ano de 2017 com a Mala da Fama.


Belos, apaixonados e suaves. Marcos e Laura.
Foto: Jidduks
O libriano Marcos Souza nasceu em São Paulo, mas veio ainda criança para Cabo Frio. Atualmente, trabalha na secretaria de Municipal de Assistência Social, como design gráfico. Estudou publicidade e propaganda, na Veiga de Almeida. Ele sempre foi ligado em artes. Ama o palco e estuda teatro no OFICENA - Curso Livre de Teatro da secretaria de Cultura de Cabo Frio.
A geminiana, Laura Catarina é nascida e criada em Cabo Frio. Formou-se em história pela faculdade Veiga de Almeida e trabalha na área de administração. Havida pela vida cultural da cidade, Laura está sempre com um livro na mão. Adora ler, se não estiver com livro, abre o celular e sintoniza sempre um conto, uma página de escritor, um gosto peculiar.
Você pode surpreendê-la lendo em fila de ônibus, banco, ou até mesmo no meio de um monte de gente, parece vício mesmo. Silenciosa, observadora e casada com Marcos Souza.
Durante os últimos dois meses, alimentamos o sonho de fazer umas fotos deles com a Mala da Fama, um dia rolou e foi muito bom. Os dois, compenetrados, divertidos e com um humor sutil, foram trazendo poesia e sensualidade para a Mala da Fama. Foi um mento inesquecível, onde a arte, o amor, o humor e a bela paisagem, somaram-se à doce "inutilidade" do momento.

Uma doce viagem pelos caminhos da sensibilidade, companheirismo e amor...
O resultado é só conferir aqui, no blog da Mala da Fama e, também, no álbum da nossa comunidade, no facebook. Acesse, curta e converse com eles. Eles são acessíveis, amigos e suaves.

Marcos Souza - Libriano
Laura Catarina - Geminiana




Enquanto houver amor, há esperança e muita disposição para viver a essência

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Perola Hatake - Atriz e Marinheira de Cabo Frio.

Durante os últimos dois anos, Perola descobriu a arte do teatro, através do OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio. Foi um período de grandes descobertas, fortes paixões, entrega à vida. A redescoberta de si mesma, através da busca de um fazer artístico que completasse seu coração, sua demanda de mais amor, mais afeto e mais presença no mundo. Foi assim e está sendo assim.
Essa "Menina do Mar" hoje tem 22 anos e cresceu em Cabo Frio, sua cidade natal, circula pela cidade com seu coração pleno de iniciativa e redescoberta de si. Por isso, resolvemos fazer, com ela, mais um ensaio com a Mala da Fama, para fechar 2017.
Curta as fotos e conheça Perola Hatake.





segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Vinicius de Oliveira e a Mala da Fama, em 2001

Aos 16 anos de idade, Vinícius de Oliveira, ao lado de
Gabriel Nóbrega. Fotografados em 2001 na Jornada Literária
de Passo Fundo - No Rio Grande do Sul. Foto: Jidduks
Premiado como melhor diretor, no "10º Curta Cabo Frio - 2017", Vinícius de Oliveira mostra por que, além de ator, é um diretor promissor, do cinema brasileiro.
Eis que o reencontro depois de 16 anos.


*

Na Jornada literária de Passo Fundo, em 2001, em pleno Rio Grande do Sul, encontro Vinicius de Oliveira, então, com 16 anos de idade, interpretando uma peça sobre o poeta Carlos Drummond de Andrade. Um espetáculo onde Vinícius interpretava o maior poeta brasileiro, quando este ainda era adolescente. Vinicius, já estava bem conhecido pela participação, como o protagonista Josué, no filme "Central do Brasil", de Walter Salles um ator mirim, que disputou espaço com centenas, talvez milhares de outros  pretendentes à participação no filme. Uma história bela e inesquecível.
"Central do Brasil" é responsável pela elevação da autoestima do cinema nacional do Brasil. Foi um dos filmes da retomada do Cinema Brasileiro, que começara praticamente 5 anos antes com "Carlota Joaquina - Princesa do Brasil" de Carla Camuratti e 4 anos antes do inesquecível "Cidade de Deus" de Fernando Meirelles e Kátia Lund. Depois disso, passei a acompanhar a carreira deste menino, porque, quando estive em Passo Fundo, me chamou a atenção, principalmente, seu caráter e sua humildade.
O garoto que entrou pela porta da frente do cinema nacional, participou de um filme icônico da cinematografia brasileira e que tinha, na época, a atenção quase que unanime, no encontro de Passo Fundo, na verdade, era um jovem curioso, brincalhão, e que observava todo o movimento da grande festa literária brasileira. Neste mesmo ano, em que fotografei intelectuais da literatura como: Frei Betto, o chileno António Scármettá, Ziraldo, Márcia Medeiros, Paula Mastrobertti. Lá estava ele, apenas um jovem de 16 anos, despontando para a vida artística, do qual já começara, com um tremendo sucesso.


Em 2001, Vinícius de Oliveira, rodeado de fãs e já segurando a "Mala da Fama"!


APROVEITE PARA VER O TRAILER DO FILME QUE CHAMOU A ATENÇÃO DO BRASIL.



CURTA O TRAILER OFICIAL DO FILME - LINHA DE PASSE - DE 2008.


VEJA O TRAILLER DO FILME "BOI NEON" OUTRO BELO FILME COM VINÍCIUS


Vinicius de Oliveira - Prêmio de Melhor Direção no 10º Curta Cabo Frio - 2017.

Sem dúvida que um dos pontos altos do festival Curta Cabo Frio é a curadoria, a assertividade em escolha de filmes, o melhor da produção nacional e internacional: Quem não lembra dos inesquecíveis "Satori Uso" de Rodrigo Grota, ou o incrível "Amor Bassura", um filme  paraguaio; lembro que estava junto com a Bárbara Morais, hoje montadora de filmes. Ficamos encantados ao ver um filme tão singelo. Foi a primeira vez que vi um filme paraguaio, tempos depois, o filme "7 Caixas" da dupla Maneglia-Schembori, me encantou e me ver o cinema latino americano com outro olhar. O papel exercido pela curadoria de um festival é fundamental na formação do "cinéfilo de carteirinha".
Até agora foram 10 edições do Festival Curta Cabo Frio com uma média de 700 filmes exibidos em 10 anos. Ufa... Este ano, 2017, tivemos o mais austero de todos, devido à total contenção de verbas, mas, apesar de todas as dificuldades, mais uma vez vimos que a curadoria é a alma de um bom festival. Nos dias que se seguiram as mostras, tanto na  Casa Scliar, como no Charitas, mobilizou parte da juventude cinéfila de Cabo Frio.

"Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes" - de Vinícius de Oliveira,
prêmio de melhor direção no 10º Curta Cabo Frio.
Uma grata surpresa, este ano, entre tantos outros filmes, foi o curta "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes",  de Vinicius de Oliveira, que faturou o prêmio de Melhor Direção , um dos mais importantes prêmios cinematográficos, conferido a um realizador. Um prêmio merecido para um filme que, além de contar com ótimo elenco, tem um roteiro ágil e garante um clima sufocante a cada momento, a ótima montagem é bem criativa e se garante do começo ao fim. 
A história tem engajamento politico, já que fala do machismo arraigado na sociedade brasileira, a partir de um grupo de amigos "pegadores" que saem para curtir a noite paulistana, com muita bebida, diversão e sexo. O desdobramento é uma paulada na sensibilidade do expectador. O filme mexe com o coração do público, finalizando com aquele silêncio que deixa todo mundo apreensivo. Logo após a exibição e a tensão vivida, foi bonito ver o público explodir numa chuva de aplausos, consagrando um filme que está, ainda, no seu começo de caminhada.


Vinícius de Oliveira, diretor do filme "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes",
prêmio de melhor diretor no "10º Curta Cabo Frio - 2017.

Vinícius de Oliveira, uma trajetória de Sucesso.

Quem conhece Vinícius de Oliveira, sabe de sua paixão pelo Cinema Nacional. Seu nome começou a surgir quando ele fez o inesquecível "Central do Brasil" de Walter Salles, 1998, filme premiadíssimo em que ele contracena com a poderosa Fernanda Montenegro. Vinícius dá um show neste filme, e entra para o panteão de atores mirins que encantaram o Brasil. O impacto da sua presença no cinema nacional lhe rendeu, só pode ser comparado ao "Pixote - A Lei do Mais Fraco" de Hector Babenco, e que consagrou o ator mirim, eterno, do cinema brasileiro: Fernando Ramos da Silva.
Três anos depois de Central do Brasil, Vinícius brilhou noutro filmaço de Walter Salles, "Abril Despedaçado", onde contracena com feras do cinema nacional como José Dummont e Rodrigo Santoro. Já em 2008, ele reaparece, adulto, no filme "Linha de Passe", de Daniela Thomas e Walter Salles, desta vez, o ator mirim carismático, abre espaço para o adulto consciente e sensível, numa história que arrebatou corações no festival de Cannes. Vinícius nunca parou de filmar, nasceu para fazer cinema, é, sem dúvida, um dos fortes nomes do cinema nacional do momento e, agora, ele é também, diretor e seu filme "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes". O filme traz um cineasta engajado nas questões nacionais, mostrando a fúria do machismo brasileiro. Vale conferir.

(Jiddu Saldanha - Blogueiro)


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Nadir Pires e a Mala da Fama.

Muito divertido fotografar a carioquíssima mais espontânea que a Mala da Fama já conheceu, o nome dela é Nadir Pires. Fez teatro no curso Ensina Encena, com o Fábio Carvalho de Freitas (2014). depois disso começou a fazer o curso Oficina de Atores em Copacabana, Rio de Janeiro, onde fez seu primeiro espetáculo "O Fim do Mundo", direção e texto Daniel Freitas (2014). No mesmo ano junto com esse curso fazia também o curso livre de teatro Casa dos Azulejos, São Pedro da Aldeia, onde fez o espetáculo "Acorda Alice", direção e texto Nelson Yabeta que teve estréia no ano 2015. Começou o curso Oficina de Atores em Cabo Frio, onde fez o espetáculo "Lisístrata", texto de Aristófanes e direção André França e Roberto Battaglin (2015). Fez parte do grupo Risco Teatral participando do processo de montagem do espetáculo "Era Uma Vez Um Circo", de Rodrigo Sena, onde participou de muitos estudos como atriz, no grupo Risco, desenvolveu habilidades através de oficinas de corpo, jogos teatrais, máscara balinesa, exaustão, sensibilidade e disponibilidade, além de aulas de canto. Em 2016 começou o curso OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio, e fez parte do espetáculo "O Navio Negreiro" dirigido por alunos do curso, com supervisão de Jiddu Saldanha e Yuri Vasconcellos. No TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, participa do processo de criação e pesquisa de palhaçaria e integrou o elenco da performance "Coração do Mar".
Sua atividade artística não para, faz projeto escola com o seu atual grupo, Casa dos Azulejos.




Forteza / CE - Lamparina de Histórias.

Uma das mais belas cidades do Brasil, Fortaleza é, também, um lugar do humor e do amor. Pessoas singelas e amorosas, que curtem se conectar com o melhor da vida. Lá, a Mala da Fama acordou feliz, depois de uma longa viagem, saindo do Rio de Janeiro, até aportar na terra do grande escritor José de Alencar.
A participação do evento "Lamparina de Histórias", fez a vida acontecer, através da oficina de mímica para narradores, ministrada por Jiddu Saldanha. Algo realmente inesquecível. Muita sensibilidade e paixão, fluiu pelo universo de corações que a gente sentiu bater, de perto. Até breve, cidade de Iracema, coração do mundo!

Oficina "Gestos para Narradores" - Mímica com Jiddu Saldanha

Oficina "Gestos para Narradores" - Mímica com Jiddu Saldanha

sábado, 17 de junho de 2017

Hugo Leal - Diferente.

Não falta criatividade na cabeça desse rapaz, ele sabe ser diferente e leva a vida inventando seu próprio modo de ver a vida e lidar com as pessoas. Sempre uma surpresa, lidar com ele. A começar por essas fotos aqui. Aconteceram num momento em que ele soube aparecer e jogar seu charme, para que fluísse as fotos com a Mala da Fama.
Quer seja fazendo teatro, no OFICENA, ou lidando com a linguagem circense, no seu grupo "Meu Vizinho Trapezista", ele faz da arte um exercício pleno de liberdade e amor. Palhaçeando aqui e ali, vai movendo sua poesia em direção à sua busca maior. Viver em paz com os amigos e sempre levando adiante sua energia circense. Este é o querido Hugo Leal, que bem poderia ser "Hugo Legal"!