quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Perola Hatake - Atriz e Marinheira de Cabo Frio.

Durante os últimos dois anos, Perola descobriu a arte do teatro, através do OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio. Foi um período de grandes descobertas, fortes paixões, entrega à vida. A redescoberta de si mesma, através da busca de um fazer artístico que completasse seu coração, sua demanda de mais amor, mais afeto e mais presença no mundo. Foi assim e está sendo assim.
Essa "Menina do Mar" hoje tem 22 anos e cresceu em Cabo Frio, sua cidade natal, circula pela cidade com seu coração pleno de iniciativa e redescoberta de si. Por isso, resolvemos fazer, com ela, mais um ensaio com a Mala da Fama, para fechar 2017.
Curta as fotos e conheça Perola Hatake.





segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Vinicius de Oliveira e a Mala da Fama, em 2001

Aos 16 anos de idade, Vinícius de Oliveira, ao lado de
Gabriel Nóbrega. Fotografados em 2001 na Jornada Literária
de Passo Fundo - No Rio Grande do Sul. Foto: Jidduks
Premiado como melhor diretor, no "10º Curta Cabo Frio - 2017", Vinícius de Oliveira mostra por que, além de ator, é um diretor promissor, do cinema brasileiro.
Eis que o reencontro depois de 16 anos.


*

Na Jornada literária de Passo Fundo, em 2001, em pleno Rio Grande do Sul, encontro Vinicius de Oliveira, então, com 16 anos de idade, interpretando uma peça sobre o poeta Carlos Drummond de Andrade. Um espetáculo onde Vinícius interpretava o maior poeta brasileiro, quando este ainda era adolescente. Vinicius, já estava bem conhecido pela participação, como o protagonista Josué, no filme "Central do Brasil", de Walter Salles um ator mirim, que disputou espaço com centenas, talvez milhares de outros  pretendentes à participação no filme. Uma história bela e inesquecível.
"Central do Brasil" é responsável pela elevação da autoestima do cinema nacional do Brasil. Foi um dos filmes da retomada do Cinema Brasileiro, que começara praticamente 5 anos antes com "Carlota Joaquina - Princesa do Brasil" de Carla Camuratti e 4 anos antes do inesquecível "Cidade de Deus" de Fernando Meirelles e Kátia Lund. Depois disso, passei a acompanhar a carreira deste menino, porque, quando estive em Passo Fundo, me chamou a atenção, principalmente, seu caráter e sua humildade.
O garoto que entrou pela porta da frente do cinema nacional, participou de um filme icônico da cinematografia brasileira e que tinha, na época, a atenção quase que unanime, no encontro de Passo Fundo, na verdade, era um jovem curioso, brincalhão, e que observava todo o movimento da grande festa literária brasileira. Neste mesmo ano, em que fotografei intelectuais da literatura como: Frei Betto, o chileno António Scármettá, Ziraldo, Márcia Medeiros, Paula Mastrobertti. Lá estava ele, apenas um jovem de 16 anos, despontando para a vida artística, do qual já começara, com um tremendo sucesso.


Em 2001, Vinícius de Oliveira, rodeado de fãs e já segurando a "Mala da Fama"!


APROVEITE PARA VER O TRAILER DO FILME QUE CHAMOU A ATENÇÃO DO BRASIL.



CURTA O TRAILER OFICIAL DO FILME - LINHA DE PASSE - DE 2008.


VEJA O TRAILLER DO FILME "BOI NEON" OUTRO BELO FILME COM VINÍCIUS


Vinicius de Oliveira - Prêmio de Melhor Direção no 10º Curta Cabo Frio - 2017.

Sem dúvida que um dos pontos altos do festival Curta Cabo Frio é a curadoria, a assertividade em escolha de filmes, o melhor da produção nacional e internacional: Quem não lembra dos inesquecíveis "Satori Uso" de Rodrigo Grota, ou o incrível "Amor Bassura", um filme  paraguaio; lembro que estava junto com a Bárbara Morais, hoje montadora de filmes. Ficamos encantados ao ver um filme tão singelo. Foi a primeira vez que vi um filme paraguaio, tempos depois, o filme "7 Caixas" da dupla Maneglia-Schembori, me encantou e me ver o cinema latino americano com outro olhar. O papel exercido pela curadoria de um festival é fundamental na formação do "cinéfilo de carteirinha".
Até agora foram 10 edições do Festival Curta Cabo Frio com uma média de 700 filmes exibidos em 10 anos. Ufa... Este ano, 2017, tivemos o mais austero de todos, devido à total contenção de verbas, mas, apesar de todas as dificuldades, mais uma vez vimos que a curadoria é a alma de um bom festival. Nos dias que se seguiram as mostras, tanto na  Casa Scliar, como no Charitas, mobilizou parte da juventude cinéfila de Cabo Frio.

"Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes" - de Vinícius de Oliveira,
prêmio de melhor direção no 10º Curta Cabo Frio.
Uma grata surpresa, este ano, entre tantos outros filmes, foi o curta "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes",  de Vinicius de Oliveira, que faturou o prêmio de Melhor Direção , um dos mais importantes prêmios cinematográficos, conferido a um realizador. Um prêmio merecido para um filme que, além de contar com ótimo elenco, tem um roteiro ágil e garante um clima sufocante a cada momento, a ótima montagem é bem criativa e se garante do começo ao fim. 
A história tem engajamento politico, já que fala do machismo arraigado na sociedade brasileira, a partir de um grupo de amigos "pegadores" que saem para curtir a noite paulistana, com muita bebida, diversão e sexo. O desdobramento é uma paulada na sensibilidade do expectador. O filme mexe com o coração do público, finalizando com aquele silêncio que deixa todo mundo apreensivo. Logo após a exibição e a tensão vivida, foi bonito ver o público explodir numa chuva de aplausos, consagrando um filme que está, ainda, no seu começo de caminhada.


Vinícius de Oliveira, diretor do filme "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes",
prêmio de melhor diretor no "10º Curta Cabo Frio - 2017.

Vinícius de Oliveira, uma trajetória de Sucesso.

Quem conhece Vinícius de Oliveira, sabe de sua paixão pelo Cinema Nacional. Seu nome começou a surgir quando ele fez o inesquecível "Central do Brasil" de Walter Salles, 1998, filme premiadíssimo em que ele contracena com a poderosa Fernanda Montenegro. Vinícius dá um show neste filme, e entra para o panteão de atores mirins que encantaram o Brasil. O impacto da sua presença no cinema nacional lhe rendeu, só pode ser comparado ao "Pixote - A Lei do Mais Fraco" de Hector Babenco, e que consagrou o ator mirim, eterno, do cinema brasileiro: Fernando Ramos da Silva.
Três anos depois de Central do Brasil, Vinícius brilhou noutro filmaço de Walter Salles, "Abril Despedaçado", onde contracena com feras do cinema nacional como José Dummont e Rodrigo Santoro. Já em 2008, ele reaparece, adulto, no filme "Linha de Passe", de Daniela Thomas e Walter Salles, desta vez, o ator mirim carismático, abre espaço para o adulto consciente e sensível, numa história que arrebatou corações no festival de Cannes. Vinícius nunca parou de filmar, nasceu para fazer cinema, é, sem dúvida, um dos fortes nomes do cinema nacional do momento e, agora, ele é também, diretor e seu filme "Crime de Honra - Ensaio para Intolerantes". O filme traz um cineasta engajado nas questões nacionais, mostrando a fúria do machismo brasileiro. Vale conferir.

(Jiddu Saldanha - Blogueiro)


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Nadir Pires e a Mala da Fama.

Muito divertido fotografar a carioquíssima mais espontânea que a Mala da Fama já conheceu, o nome dela é Nadir Pires. Fez teatro no curso Ensina Encena, com o Fábio Carvalho de Freitas (2014). depois disso começou a fazer o curso Oficina de Atores em Copacabana, Rio de Janeiro, onde fez seu primeiro espetáculo "O Fim do Mundo", direção e texto Daniel Freitas (2014). No mesmo ano junto com esse curso fazia também o curso livre de teatro Casa dos Azulejos, São Pedro da Aldeia, onde fez o espetáculo "Acorda Alice", direção e texto Nelson Yabeta que teve estréia no ano 2015. Começou o curso Oficina de Atores em Cabo Frio, onde fez o espetáculo "Lisístrata", texto de Aristófanes e direção André França e Roberto Battaglin (2015). Fez parte do grupo Risco Teatral participando do processo de montagem do espetáculo "Era Uma Vez Um Circo", de Rodrigo Sena, onde participou de muitos estudos como atriz, no grupo Risco, desenvolveu habilidades através de oficinas de corpo, jogos teatrais, máscara balinesa, exaustão, sensibilidade e disponibilidade, além de aulas de canto. Em 2016 começou o curso OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio, e fez parte do espetáculo "O Navio Negreiro" dirigido por alunos do curso, com supervisão de Jiddu Saldanha e Yuri Vasconcellos. No TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, participa do processo de criação e pesquisa de palhaçaria e integrou o elenco da performance "Coração do Mar".
Sua atividade artística não para, faz projeto escola com o seu atual grupo, Casa dos Azulejos.




Forteza / CE - Lamparina de Histórias.

Uma das mais belas cidades do Brasil, Fortaleza é, também, um lugar do humor e do amor. Pessoas singelas e amorosas, que curtem se conectar com o melhor da vida. Lá, a Mala da Fama acordou feliz, depois de uma longa viagem, saindo do Rio de Janeiro, até aportar na terra do grande escritor José de Alencar.
A participação do evento "Lamparina de Histórias", fez a vida acontecer, através da oficina de mímica para narradores, ministrada por Jiddu Saldanha. Algo realmente inesquecível. Muita sensibilidade e paixão, fluiu pelo universo de corações que a gente sentiu bater, de perto. Até breve, cidade de Iracema, coração do mundo!

Oficina "Gestos para Narradores" - Mímica com Jiddu Saldanha

Oficina "Gestos para Narradores" - Mímica com Jiddu Saldanha

sábado, 17 de junho de 2017

Hugo Leal - Diferente.

Não falta criatividade na cabeça desse rapaz, ele sabe ser diferente e leva a vida inventando seu próprio modo de ver a vida e lidar com as pessoas. Sempre uma surpresa, lidar com ele. A começar por essas fotos aqui. Aconteceram num momento em que ele soube aparecer e jogar seu charme, para que fluísse as fotos com a Mala da Fama.
Quer seja fazendo teatro, no OFICENA, ou lidando com a linguagem circense, no seu grupo "Meu Vizinho Trapezista", ele faz da arte um exercício pleno de liberdade e amor. Palhaçeando aqui e ali, vai movendo sua poesia em direção à sua busca maior. Viver em paz com os amigos e sempre levando adiante sua energia circense. Este é o querido Hugo Leal, que bem poderia ser "Hugo Legal"!







sábado, 10 de junho de 2017

Celso Guimarães - Cabeça de artista!


Celsinho, como é chamado carinhosamente pelos integrantes do OFICENA - Curso Livre de Teatro, do Teatro Municipal de Cabo Frio, já viveu diversas experiências no seu devir teatral. Conquistou seu espaço, sempre, se pensando num imenso coletivo artístico, que é a cidade. Desde os idos de 2014, quando ingressou no curso, Celso já fez parte do elenco do Auto da Compadecida, O Inspetor Geral, e de todo o repertório do TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, grupo que fez parte durante um ano e meio e foi, praticamente, co-fundador.
Com seu espírito colaborativo, hoje, faz parte da equipe do Cine Mosquito, Fest Solos e Poesia de Cena e, atualmente, se descobriu como dramaturgo, dedicando-se e escrevendo no NUDRA - Núcleo de Dramaturgia Livre. Participou de oficinas no Teatro Quintal, além da prática de montagem. Atualmente, investiga sua linguagem cênica, também, com outros diretores da cidade.
Muito bom fotografá-lo com suas mais recentes personas.

Exercitando sua energia criativa pessoal, crescendo na arte de atuar.





Míster Phodasse - Na cabeça do artista, também tem espaço para o escracho!

domingo, 4 de junho de 2017

Hedionda Pertovic, via Wesley de Abreu.

Um jovem muito simpático e comunicativo, estudou teatro no OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio. Dedicou-se até o momento em que criou sua personagem e saiu pelo mundo. Hoje, Hedionda é uma Drag Queen que já está ficando conhecida na região. Promessa de muita arte, diversão e descoberta, numa linguagem que poucos conseguem dominar. O trabalho de uma Drag envolve uma estética arrojada, com mergulhos que precisam ser bem definidos através da maquiagem e um figurino perfeito. Este é o mundo mágico deste artista que já vem despertando olhares...









Andressa Monteiro - Juventude arejada...

Com olhar crítico e participação ativa na vida cultural de Buzios e Cabo Frio, Andressa não economiza seu charme de quem ocupa a cidade em toda a sua extensão. Mostra-se sempre participativa, tem sede de saber o que acontece e registra muito da fluidez artística na cidade. 
Estudante de comunicação, na Veiga de Almeida, está sempre antenada. Já a vi no Cine Mosquito, o Cine Clube mais antigo de Cabo Frio, e costumo ir no Conhecinema, que é o Cine Clube onde ela participa como integrante da equipe, super organizada. 
Fotografei-a com a Mala da Fama no evento PASSAGENS, um incrível momento que fez a ligação afetiva entre os bairros de Cabo Frio. Muita reflexão, poesia e diversidade na praça!







sábado, 3 de junho de 2017

Rodrigo Cintra um agitador cultural da Região dos Lagos.

Cintra é um cara incrível, está sempre pras bandas de Cabo Frio, onde faz faculdade de Comunicação, na Veiga de Almeida. Agitando aqui e ali, ele acha tempo pra estiar nos eventos da cidade. Um sério candidato à lista dos ONIPRESENTES da Região dos Lagos. Fiz sua foto com a mala da fama, aproveitamos para uma gloriosa sequência e ele se divertiu muito. Segue o resultado.









sexta-feira, 2 de junho de 2017

Passagens - Um evento que é a cara da Mala da Fama!

Os estudantes de Comunicação, da Veiga de Almeida, fizeram bonito na Praça São Cristóvão. Foi lindo, perceber uma ocupação tão poética de um espaço público. Uma ocupação com reflexão, arte e muita energia positiva. Uma juventude articulada e antenada, mostrando que a praça é uma pequeno paraíso na terra, onde muitas energias se cruzaram para que tudo pudesse acontecer.
Capitaneados pelo professor Daniel Paes, foi incrível perceber, que havia toda uma discussão e reflexão, um sentir, um pensar e uma troca intensa, onde a cidade e seus bairros eram protagonistas. A poesia e as sensações, pisando cada pedrinha da Polis! Valeu, galera, a Mala da Fama esteve lá. Foi bom poder aportar com nosso belo "objeto inútil"!





quinta-feira, 1 de junho de 2017

Carlos Careqa e Arrigo Barnabé, com a Mala da Fama!

Foi incrível, encontrar, em 2005, meu amigo Carlos Careqa, que já era um sucesso em Curitiba, quando eu ainda engatinhava como mímico, no final dos anos 80. Juntos, nós fizemos parte da Ex Cola de Samba - Unidos do Botão, a menor escola de samba do Brasil, que tinha carros alegóricos puxados por barbante e cujo cartola era, nada mais, nada menos que Helio Leites e a porta bandeira, a querida Kátia Horn.
Eis que, em 2005, no CCBB tive o prazer de assistir  a uma ópera experimental com Carlos Careqa e Arrigo Barnabé. Foi correndo lá, para fotografar os dois, com a Mala da Fama e tive a alegria de ser bem recebido. Foi uma grande curtição, estar com os dois juntos e ainda ser convidado para subir no palco, depois de assistir a um belo espetáculo, permeado de música experimental e psicanálise.







Carlos Careqa e Arrigo Barnabé - 2005.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Henrique de Bragança. Superando desafios...

Quem conhece Henrique, sabe o quanto ele é otimista e de como ele sabe transformar qualquer ambiente baixo astral, em energia sutil, inteligente e muito papo cabeça. Henrique lê muito, gosta de trocar ideias e falar de assuntos que sempre chamam a atenção para pensares outros. Ele também confessa que, sendo cadeirante, uma das coisas que ele mais curte é transformar sua condição em humor, deixando, muitas vezes, as pessoas desconcertadas.
Ele tem charme e auto estima. Faz teatro e escreve poemas. É estudioso, e adora se divertir. Dito isso, topou fazer as fotos com a Mala da Fama. Ficamos felizes, afinal, é sempre bom ter pessoas proativas, que fazem da vida algo intenso e buscam suas metas, sem medo. Henrique é assim e a gente curte o jeitão dele!






segunda-feira, 29 de maio de 2017

Bruna Carolina, uma ativista dos direitos civis.

A jovem Bruna Carolina é um exemplo para sua geração. Fez aulas de teatro no OFICENA por volta de 2013/2014, mas nunca deixou de visitar o curso. Sua atuação, no entanto, é totalmente voltada para o ativismo político, onde reveza em atividades que vão de ocupação da escola onde estudou, a passeatas em favor da educação. 
Bruna é daquelas estudantes que entende perfeitamente a situação em que o Brasil se encontra, portanto, procura sempre dar seu melhor, fazer sua parte e lutar por um mundo melhor. Ela concordou em fazer suas fotos com a Mala da Fama para expor seu sorriso e atitude para os fãs do nosso "objeto inútil", que, nas mãos dela, ganha sem dúvida, alguma utilidade
                                                                                                                                                                                 





domingo, 28 de maio de 2017

Algumas fotos da Mala da Fama, tiradas por Flavio Petchinichi.

Quem for a um espaço cultural, ou restaurante, ou bar, da cidade de Cabo Frio, e vir Sarah Dhy cantando, vai perceber um repertório refinado, harmonia, domínio das cordas de seu violão e muita, mas muita sensibilidade. Isso mesmo, Sarah Dhy encanta quando canta e sua música flui de sua alma, chegando ao coração de seu seleto e sensível público.

Sarah Dhy

Silvana Lima e Dio Cavalcanti, fotografados em 2011, na estréia do espetáculo de contação de histórias, "Palavra Entrelaçada" pelo clique poético de Flavio Petchinichi Uma experiência inesquecível, um momento vivido no tearo municipal de Cabo Frio. Hoje, ambos administram o próprio teatro, o carismático e luxuoso "Teatro Quintal", um lugar onde flui a arte de Cabo Frio, numa convergência de energias que a Mala da Fama não poderia deixar de narrar.

Silvana Lima e Dio Cavalcanti.

Fernando Chagas, uma das grandes figuras que contribuiu muito para as artes de Cabo Frio, no entanto, sua dedicação e história é das mais bonitas que a Mala da Fama já presenciou. O jovem do interior de São Paulo, nunca teve dúvida do que queria ser na vida. Estudou história, se formou, fez seu mestrado e já está a caminho do doutorado. Orgulho de seus pais, Fernando foi, também, a pessoa que levantou a TRIBAL, até hoje, seu trabalho marcou e fez da associação de artistas de Cabo Frio, um lugar de nível profissional, onde todos sempre lembram de seu amor e dedicação que, acabou por impulsioná-lo na vida. Sua luta nunca foi em vão.

Fernando Chagas

Nicole Loup, a Bahiana que vive desde muito pequena em Cabo Frio, é conhecida pela sua sofisticação e amor consagrado às artes, mas, principalmente à moda. Em Cabo Frio, ela já fez de um tudo, mas seu trabalho como figurinista nos espetáculos de Rodrigo Rodrigues e também do espetáculo Palavra Entrelaçada, onde, aliás, ela fez esta foto com o Flavio Pechtinichi.

Nicole Loup

Outro momento bonito na história da mala da fama, é esta foto que traz, nada mais, nada menos que:
Nicole Loup, Feranando Chagas, Ravi Arrabal, Marcos Homem, Yuri Vasconcellos, Bombom Ferrero
e, no centro, eu mesmo, Jiddu Saldanha, e logo abaixo, Alexis Malabi, outro grande fotógrafo de Cabo Frio. Tudo isso, no dia da estréia do meu espetáculo, momento inesquecível, clicado pelo sensível poeta dos cliques, Flavio Petchinichi.

Para nunca esquecer.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Jully Braga e a Mala da Fama - 2017

A jovem estudante de petróleo e gás, foi aluna pioneira do OFICENA - Curso Livre de Teatro de Cabo Frio, desde 2013, praticamente cresceu fazendo teatro e se divertindo nas vivências ministradas pelo Professor Ítalo, Yuri, Jiddu e Nathally. De lá pra cá, foram diversas peças montadas e, agora, é integrante do Elenco adulto do espetáculo O Auto da Compadecida, em fase de remontagem. Curta suas fotos com a Mala da Fama.







segunda-feira, 15 de maio de 2017

Bienal de arte de São Paulo - 2005 - Mala da Fama e as lembranças!

Na Bienal de arte de São Paulo, em 2005, a Mala da Fama viveu um de seus grandes momentos criativos, adentrar em um templo da cultura, no Ibirapuera e de lá fotografar pessoas que, a priori, não encontraremos mais, mas que estão portando o objeto mais inútil do Brasil. Bom lembrar deste momento vivido, deste sonho sonhado desta paixão experienciada.
Um objeto de arte transportável, correndo de mão em mão, sem destino, narrando a essência de um evento mundial de arte. Cumplicidade na mão dos estudantes, artistas e agentes criadores desta exposição monumental!